Home / Contos Eróticos / Comendo a novinha na frente do desconhecido

Comendo a novinha na frente do desconhecido

Eu tinha acabado de chegar em casa. Estava na rua conversando e bebendo com amigos. Cheguei em casa mais ou menos 00:30. Logo que cheguei visualizei a mensagem da novinha me chamando para fazer algo. Ela estava no trabalho e queria que eu a buscasse. Imediatamente respondi que poderíamos dar uma volta na praia e nos conhecer, já que tinha pegado o contato dela no Tinder e ainda não tinha conhecido.

Marcamos de nos encontrar no trabalho dela 01:00. Era o horário que ela largava o serviço. Rapidamente peguei um lençol e botei no carro e fui ao encontro da safada. Chegando no local, ela entrou no carro, nos cumprimentamos e fiquei observando ela. Infelizmente, não era muito gostosa e nem muito bonita. Era comível. Servia bem para matar minha vontade.

Dirige até a praia da reserva, que fica no Rio de Janeiro. A praia é enorme e a noite é deserta demais. Fica entre a praia da Barra da Tijuca e Recreio. Parei perto de dois quiosques que estavam fechados. Caminhamos até a areia e estendi o lençol próximo de algumas plantas. Como estava tudo escuro e fiquei com medo de assalto, escondi a chave do carro no mato a uns 3 metros de mim.

Conversamos por alguns minutos, mas logo depois comecei a beijar a safada. Subi por cima dela e beijei o pescoço e fui descendo até os seios. Eram pequenos e cabiam na boca perfeitamente. Em seguida deitei e ela começou a beijar meu pescoço. Ela foi descendo até meu short e abriu o zíper. De primeira ela começou a bater punheta e falou “nossa, é enorme e grosso”. Não vou mentir para vocês. Meu pau não é enorme. Ele tem uns 17cm, mas realmente é bem grosso e as mulheres adoram isso. Por ela ser bem baixinha deve ter achado grande.

Ela deitou sobre minhas pernas e ficou mamando meu pau com vontade. A piranha sabia fazer uma boquete. Parecia que estava com sede de leite. Quando cansei do boquete me levantei e tirei a calça jeans dela. Botei ela de quatro, escapei meu pau e comecei a enfiar bem devagar. Depois de alguns segundos acelerei a foda. Dava uns tapas fortes na bunda dela e puxava o cabelo.

Para minha surpresa, 3 ou 4 minutos depois olhei para o lado e vi um vulto. Era um cara em pé olhando a gente foder. Me assustei, mas como estava com tesão continuei metendo e avisei a ela sobre o cara. Ela tampou o rosto, mas continuou de quatro me dando a buceta.

Eu não sabia se o cara era policial ou segurança dos quiosques. Perguntei de poderia continuar. Com o susto foi a única coisa que consegui falar. Ela respondeu “claro” e começou a caminhar para perto da gente. O cara deu a volta por trás de minhas e ficou do lado direito. O maluco botou o pau para fora e logo respondi “tu não vai comer ela não”. Ela respondeu que só queria olhar e ficou batendo punheta.

A piranha tentou se levantar para ir embora, mas não deixei. Puxei ela pelas coxas e botei de bruços e continuei metendo a força. Com a situação me tesão explodiu e gozei. Então respondi que agora deixaria ela ir. Ela botou a roupa e foi me xingando e xingando o cara até chegar no carro.

Liguei meu carro e ela me xingando e me batendo no braço. Como adoro violência fiquei com tesão novamente e comecei a bater punheta dirigindo. Alguns minutos depois ela falou “pensa com a cabeça de cima e não com a de baixo, seu escroto”. Imediatamente tirei a mão direita do pau e dei na cara dela. Puxei seu cabelo e botei ela para mamar. A safada me mamou por um bom tempo enquanto o dirigia.

Meu tesão começou a ficar mais forte e falei para ela tirar a roupa e sentar no meu pau. Ela fez tudo que eu disse, mas pisou na manivela do banco e ela arriou. Não liguei e continue dirigindo e ela de frente para mim fodendo. Dirigi por um bom tempo até gozar novamente e dessa vez foi na pele. Não sei como não peguei doença nenhuma. A mina era maior safada. Acho que Deus me deu muita sorte.

Depois de gozar pela segunda vez estava bem satisfeito e cansado, principalmente porque já era tarde da noite. Quis embora, mas ela não deixou. Fiz mais um sexo na porta da casa dela, mas foi um meia boca sem nenhuma tesão.

Achei que a mulher nunca mais fosse falar comigo, mas a piranha ficou apaixonada. Vive me enchendo o saco. Sai para come-la outras vezes, mas nada tão bom quanto a primeira vez.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*